Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cá coisas minhas

Este é o meu blog. Onde falo sobre múltiplas coisas. As coisas que me vêem a cabeça.

Cá coisas minhas

Este é o meu blog. Onde falo sobre múltiplas coisas. As coisas que me vêem a cabeça.

02
Fev18

Wishlist

Ana

Semana 5: Fazem parte da minha wishlist.

 

Tenho algumas cidades que gostava de conhecer.

Mas não apenas uma viagem turística. O ideal é ficar por lá umas duas semanas, para poder conhecer os sitios mais turísticos, mas também viver as cidades como se fosse habitante.

A saber:

  • Berlim;
  • Rio de Janeiro;
  • Amesterdão.

Para além disso, existem outras coisas que eu também gostava (mas que parecem assim muito dificeis de conseguir).

Fazer compras nos Champs Elysées, sem limite de valor.

Passar uma semana, num hotel com SPA a fazer massagens de relaxamento e tratamentos de beleza.

Consultar um fashion adviser para me dizer qual o corte e cor de cabelo e roupa mais adequados para mim, de acordo com o meu estilo [e ter dinheiro para depois poder fazer tudo o que me dissessem].

Ter uma biblioteca na minha própria casa [no fundo, bastava-me um cantinho ao pé de uma janela com uma cadeirão confortável, um candeeiro e uma estante enorme cheia de livros que eu goste].

 

O outro não diz que "o sonho comanda a vida"?

Eu acredito.

Ora escutem.

 

01
Fev18

Sérgio Godinho | O Primeiro Dia

Ana

Nuca tinha ouvido esta música "com ouvidos de ouvir".

Foi hoje.

Um retrato tão exato do que é a vida.

 

A principio é simples, anda-se sózinho
Passa-se nas ruas bem devagarinho
Está-se bem no silêncio e no borborinho
Bebe-se as certezas num copo de vinho
E vem-nos à memória uma frase batida
Hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

 

Pouco a pouco o passo faz-se vagabundo
Dá-se a volta ao medo, dá-se a volta ao mundo
Diz-se do passado, que está moribundo
Bebe-se o alento num copo sem fundo
E vem-nos à memória uma frase batida
Hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

 

E é então que amigos nos oferecem leito
Entra-se cansado e sai-se refeito
Luta-se por tudo o que se leva a peito
Bebe-se, come-se e alguém nos diz: bom proveito
E vem-nos à memória uma frase batida
Hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

 

Depois vêm cansaços e o corpo fraqueja
Olha-se para dentro e já pouco sobeja
Pede-se o descanso, por curto que seja
Apagam-se dúvidas num mar de cerveja
E vem-nos à memória uma frase batida
Hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

 

Enfim duma escolha faz-se um desafio
Enfrenta-se a vida de fio a pavio
Navega-se sem mar, sem vela ou navio
Bebe-se a coragem até dum copo vazio
E vem-nos à memória uma frase batida
Hoje é o primeiro dia do resto da tua vida

 

E entretanto o tempo fez cinza da brasa
E outra maré cheia virá da maré vaza
Nasce um novo dia e no braço outra asa
Brinda-se aos amores com o vinho da casa
E vem-nos à memória uma frase batida
Hoje é o primeiro dia do resto da tua vida.

01
Fev18

Pensando na vida

Ana

Ontem, antes de adormecer, dei por mim a pensar na vida.

[O que normalmente não é boa ideia, porque "costuma" dar insónias. Desta vez não deu, porque eu devia ter realmente muito sono]

Influenciada certamente, sobre a frase que publiquei ontem sobre o destino.

E influenciada também por algo que li que alguém escreveu num outro blog.

Isto para dizer o quê?

Que, apesar de tal como muita gente, eu dizer "não me arrependo de nada do que fiz", ou "foi o caminho que fiz que me fez chegar aqui" e outras coisas do género, a verdade verdadinha é que há um período na minha vida que eu preferia mesmo não ter vivido. 

Ah, e tal, mas aprendeste com isso?

Sinceramente, não.

Olhando para trás, não vejo a minha pessoa durante aquele período.

Não sei o que andei ali a fazer.

E o que é certo, é que apesar de já terem passado quase 10 anos, continuo a ter presente em mim aquelas "coisas".

"Não era eu, que ali estava". É assim que me defendo.

Mas o que é certo é que estive. E a conclusão que eu chego sempre é: "Mas a fazer o quê?"

Nada de útil, bom ou assim assim.

E é por isso que eu digo, que aquele período (cerca de 4 anos), podia simplesmente não ter existido.

É certo que aprendi para o futuro: jamais permitir aquilo novamente.

No entanto, é daquelas aprendizagens que eu preferia não ter aprendido. Simplesmente, não tinha permitido e ponto final.

Enfim, coisas que já la vão. [Mas que ficam]

 

31
Jan18

Sobre o Destino

Ana

O destino, isso a que damos o nome de destino, como todas as coisas deste mundo, não conhece a linha recta. O nosso grande engano, devido ao costume que temos de tudo explicar retrospectivamente em função de um resultado final, portanto conhecido, é imaginar o destino como uma flecha apontada directamente a um alvo que, por assim dizer, a estivesse esperando desde o princípio, sem se mover. Ora, pelo contrário, o destino hesita muitíssimo, tem dúvidas, leva tempo a decidir-se. Tanto assim que antes de converter Rimbaud em traficante de armas e marfim em Africa, o obrigou a ser poeta em Paris. 

José Saramago, in 'Cadernos de Lanzarote (1994)' 

 

Verdade.

Eu só não acho certo, é o destino fazer de nós tontos.

Andamos as voltas, as voltas. 

Tantas vezes damos uma volta enorme, para chegar a um sítio tão perto.

 

30
Jan18

Para ficar com água na boca

Ana

Esta semana venho falar-vos de coisas que gosto muito.

De comer, claro está.

 

No top da minha lista de alimentos preferidos está o CHOCOLATE.

ADORO.

Qualquer coisa que tenha chocolate, torna-se irresistível.

E se for quente... Hummmm... Ui, ui...

É croissant com chocolate.

É crepes com chocolate.

É bolo de chocolate.

Bolo de cenoura com cobertura de chocolate.

Chocolate. Amargo. Doce. Simples. Crunch. Com caramelo.

Já perceberam, não é?

 

Depois, outra comidinha que gosto muito muito.

Bacalhau com natas.

Gosto muito mesmo.

E o meu preferido, é mesmo o meu.

 

Saindo do campo dos preferidos, e indo para as coisas que também gosto muito de comer.

Massas. Esparguete à Carbonara.

Lasanha.

Raviolis.

Pizzas.

 

E para finalizar, há sim uns docinhos regionais que eu gosto muito. 

A saber: Ouriços da Ericeira, Travesseiros de Sintra, Trouxas da Malveira.

 

[E fiquemos por aqui, porque a "baba" já vai escorrendo]

Sobre mim

foto do autor

Também estou aqui

E aqui

Strava

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D