Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cá coisas minhas

Este é o meu blog. Onde falo sobre múltiplas coisas. As coisas que me vêem a cabeça.

Cá coisas minhas

Este é o meu blog. Onde falo sobre múltiplas coisas. As coisas que me vêem a cabeça.

19
Out16

A “mudança” dos gatos

Ana

Tenho dois gatos. Um, vai a toda a gente e para qualquer lado (acho até que se mudasse de família, ficava bem). O outro, esconde-se de toda a gente e reage muito mal às mudanças (seja ela de que tipo for).

Eu já tinha mudado de casa antes (com os gatos inclusive). E, relembrando a última, já sabia que não ia ser fácil (com o gato complicado). Na outra vez, experimentamos de tudo, incluindo medicação misturada em comida. Mas ele nem a comida comeu. E cada vez que percebia que nós o queríamos agarrar para pôr na caixa, fugia. Até que, a certa altura, nem sei onde fui buscar esta ideia, mandei-lhe um lençol para cima. Ele, assustado, parou e assim, consegui enrola-lo e pôr na caixa.

"Desta vez", pensei, "vai ser mais fácil". "É só fazer o mesmo". Mas qual quê - o gato fugia para todos os lados, percebeu logo o que se estava a passar. O meu stress também já era evidente, e ele com certeza sentia isso. Depois, peguei num lençol maior, encurralei-o num sítio e acabei por conseguir. E lá fomos nós. Depois é que vim buscar o outro.

O pânico do desconhecido dele é de tal ordem, que nas primeiras 48h nem vi o gato. Sempre escondido. Até que lá surgiu uma vez, no silêncio da noite, e passou toda a noite a miar. Sim, ninguém conseguiu dormir. Nas noites seguintes, igual. Mas foi diminuindo, e agora parece já tudo ter entrado nos eixos.

Foi mais uma “luta” que tivemos que travar. O que vale, é que acabamos sempre por rir destas peripécias.

A verdade é que nunca fui a “melhor amiga” de animais, mas por forças maiores, acabei por aceitar a presença destes dois lá em casa. E se, verdade seja dita, as vezes apetece-me “esquecer de fechar a porta”, o que é certo é que estes dois já fazem parte da nossa família. Até a M. ficou muita aflita a perguntar-me porque é que ele estava a miar assim. Quando ela ouviu o “miar normal”, diz ela, “olha mãe, ele já está habituado”. E sim, de facto, assim parece.

 

11 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Arquivo

      1. 2018
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2017
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D
      1. 2016
      2. J
      3. F
      4. M
      5. A
      6. M
      7. J
      8. J
      9. A
      10. S
      11. O
      12. N
      13. D