Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cá coisas minhas

Este é o meu blog. Onde falo sobre múltiplas coisas. As coisas que me vêem a cabeça.

Coisas da miúda #52

06.09.17 | Ana

No jornal da noite falavam da Coreia do Norte.

Miúda: “Podemos lá ir, mãe?

Eu: “Não filha. Ali não podemos ir. Porque há ali pessoas muito más e não deixam as outras serem felizes

Miúda: “Porquê?

Eu: “Porque as pessoas não podem ver na tv o que lhes apetece. Não têm internet. Não podem dizer o que querem. Não podem estar até a hora que quiserem na rua. Não podem fazer o que lhes apetecer. Não têm liberdade.

Miúda: “Então, nós vamos lá e ensinamos uma lição

Eu: … [Fiquei muda]

Miúda: “Ensinamos essas pessoas a serem boazinhas

Pois. É simples não é?!

 

Era para ser, mas afinal não

05.09.17 | Ana

No final de Junho escrevi isto.

Na segunda semana de Julho inscrevi-me.

A prova é este sábado.

No dia 14 de Julho, consegui correr 14 km. Um grande feito, para mim.

Estou inscrita.

Mas não vou.

Porquê?

Porque no dia 14 de Julho, depois de correr os 14 km, não treinei mais.

Não fui capaz.

A preguiça venceu.

A possibilidade de dormir mais umas horinhas.

A alimentação muito menos saudável.

Culpa?

Não sinto nenhuma.

Pus férias de tudo.

Agora volto aos meus treinos. Com calma. Ao meu ritmo.

Hoje corri 3,1 km em 21 minutos. [No fundo, parece que corri foi 21 km]

Devagar, vou voltando ao ritmo. Sem stress. Sem pressões. Só porque me apetece.

E depois logo se vê se algum dia a corro.

 

Coisas em introspectiva #08

01.09.17 | Ana

Aqui há tempos escrevi este post.

Estávamos numa daquelas fases complicadas, que com a idade vão ficando cada vez mais “desafiadoras”.

Escrevi

“(...)Dizer não. Marcar posição de autoridade. Por de castigo. Dizer “não grites”. Dizer “para de chorar”. Sair de ao pé dela e ouvir um choro contínuo já desespero (manipulador, será?), “oh mãe, por favor, não me deixes aqui sozinha”. Explicar o porquê do porque não. Explicar o mau daqueles comportamentos. Ralhar. Conversar. Acabar com a conversa por ali e esperar que a birra passe. E tudo junto outra vez.

Isto é esgotante. (…)”

E sim.

É exasperante. De me levar muitas vezes ao limite.

Mas o tempo vai passando.

E todas as fases mais complicadas também passam.

[E voltam outra vez, e eu esqueço-me que vão passar. Eheheh]

Mas o que eu quero dizer agora, é que tem valido a pena. Vale a pena cada “conflito” que vai surgindo. Todas as vezes em que tenho mantido a minha posição.

Não sou perfeita. Longe disso. Erro muitas vezes. E a minha miúda não é de longe nem de perto um caso exemplar de educação e cumpridora de regras e tudo e tudo e tudo.

Mas se aqui há tempos disso que “educar a educação” era das coisas mais difíceis da maternidade, hoje mantenho e reforço. No entanto, acrescento: é das coisas mais recompensadoras da maternidade.

Ver ela a crescer. A tornar-se numa pessoa com vontades e opiniões. A cumprir regras, e a desafiar outras que vão surgindo. A perceber o que está certo e o que está errado. A optar mais vezes pelo que está certo. A dizer “ok, eu vou fazer o que vocês estão a dizer, mas eu não queria e estou chateada”.

Isto é bom, mas tão bom.

Foram as primeiras férias sem sesta. Eu achava que isto ia ser um horror. Foram as melhores férias desde que ela nasceu. Participou inteiramente em todos os programas. Mostrou verdadeiro entusiasmo em cada momento. Entediou-se outras tantas vezes por não saber o que fazer. Encontrou o que fazer nos momentos de tédio.

Houve birras, sim senhora. Houve contestações e reclamações. Mas também a consegui observar em diferentes contextos e ver como a minha bebé já deixou de o ser e se está a transformar em menina.

 

[Daqui a uns tempos estou outra vez a dar em maluca com as birras e as “guerras”. Mas fica aqui o balanço. Tudo passa. O que vem a seguir é sempre diferente, mas parece sempre pior. Mas também passa. O importante é nós sabermos o que é importante e gerir isso com eles]

 

E setembro começa...

01.09.17 | Ana

É tão bom começar assim...

 

Primeiro,

A rua da escolinha bloqueada com umas três carrinhas a fazer não sei o quê. Nenhum carro passava. Lá fomos nós dar a volta maior, estacionar longe e ir a pé. Miúda, carregando a sua mochila nova - um trolley da Frozen que eu disse várias vezes que era grande e que tinha que ser ela a carregar, mas quis porque quis trazer. Resultado: acho que se arrependeu logo no primeiro dia (mas não deu parte de fraca).

 

Segundo,

IMG_20170901_083551.jpg

 Acidente na IC19. Trânsito parado assim que lá entrei.

 

Tão bom.

Tinha tantas saudades disto tudo.

 

 

Pág. 2/2