Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Carpe diem - continuando...

por Ana, em 24.01.18

Chego ao trabalho, já em cima da hora.

Quando pego no casaco para sair do carro, sinto que as chaves de casa me caem do bolso.

Deixei ficar. Não tinha tempo. "Estão no carro, é o que interessa".

Mas, quis a prudência que me é característica que eu fosse tratar disso à hora de almoço.

E lá fui.

15 minutos.

De lanterna do telemóvel, à procura.

Mete bancos para a frente.

Mete bancos para trás.

Nada.

Levanta tapetes.

Encontro uma série de lixo. Encontro outras chaves que andavam perdidas.

De casa, nada.

Ponho-me de joelhos no chão, "não vá ter caído para fora do carro".

Nada.

Já passada.

Desisti.

Pensei, "bom, deve estar no carro".

"Pelo sim, pelo não, vou à recepção ver se alguém lá deixou umas chaves."

Entro no carro. Ponho o banco no sítio.

E vejo as chaves.

IMG_20180124_140433.jpg

Por cima do volante. 

Como é que é possível?!?!?!?!?

"Caíram para cima"

 

[Com isto ainda consegui registar o nº de quilómetros que o carro tem, coisa que o marido estava sempre a perguntar. É novo, não é? E sim, está sujo, muito sujo]

Autoria e outros dados (tags, etc)

Carta ao Pai Natal

por Ana, em 15.12.17

Caro Pai Natal,

Serve a presente carta para fazer uma exposição contra algumas coisas que me estão a enervar um bocadinho.

 

Em primeiro lugar.

Arranje um telefone. E ande sempre com ele. O argumento que ao longo de quase 5 anos tenho vindo a utilizar com a minha filha “olha que eu ligo já ao Pai Natal…” já não está a surtir efeito pois ouço constantemente a resposta “o Pai Natal não tem telefone”. Por isso, é conveniente que passa a andar SEMPRE com um telemóvel consigo e que o mesmo seja VISÍVEL.

 

Segundo.

Quem é que o mandou confirmar diretamente com a miúda que ela vai receber um determinado presente??? Ela pediu-lhe UM. E o Sr. Pai Natal, disse que sim, sim senhora que já estava feito. E agora, como é que a pessoa descalça essa bota? [Por acaso, já descalcei, mas com muito esforço e pesquisa e imaginação. Quem tem que ter isso tudo é o Sr. Pai Natal, não eu]

 

Terceiro.

Faça qualquer coisa contra a publicidade de brinquedos no Natal. Peço-lhe por favor. Peço-lhe não. Exigo. A cada segundo, surge na cabeça da minha miúda um novo pedido. E depois eu vejo. E acho tudo tão giro, que por minha vontade vai tudo. A minha carteira é que não concorda nada.

 

Posto isto, a única forma de resolvermos estes litígios e eu não fazer queixa formal contra si é compensar-me. Sim, sim. Compensar-ME. E como? Segue abaixo uma lista de coisinhas que eu gostaria de receber ou que simplesmente acontecessem na minha vidinha. OK?

  • Roupa, Calçado e Acessórios. Eu sei que o Pai Natal conhece os meus gostos, por isso veja lá o que encontra por aí prontinho para me entregar.
  • Diminua a intensidade e ocorrência das birras da minha cria.
  • Faça o meu marido entender que eu não sou chatinha, eu faço é questão que tudo decorra conforme o planeado.
  • Elimine as pessoas chatas que andam à minha beira.
  • Dê-me discernimento para rir das coisinhas que me vão aparecendo e força muita força para lidar com outras tantas.
  • Mantenha aqueles de quem gosto felizes.
  • Aproxime-me mais e cada vez mais, de quem me traz conforto e me faz sentir EU.
  • Relembra-me TODOS OS DIAS, aquilo que é importante e abana-me quando estou a dar importância a coisas sem importância.

Acima de tudo, ajuda-me a manter a magia destes dias no brilho dos olhos da minha filha. Não me deixes perder a paciência e ir na onda daquilo que não me está a agradar. Tenho a certeza que isso fará de mim uma melhor pessoa [E só por isso, só por isso, não levarei as minhas queixas ao mais alto nível.]

 

Saudações natalícias,

Ana

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Coisas que me acontecem #7

por Ana, em 25.10.17

No domingo passado, fiz uma bela corrida: 12 km.

Terminei fora da aldeia, cá em cima. Assim pude fazer os alongamentos com uma paisagem ampla e inspirador.

Estava um dia fantástico. Céu limpo. De uma lado, via o Palácio da Pena. Do outro lado, via o Palácio de Mafra.

Perfeito.

Até que....

De repente, comecei a ouvir tiros. E percebi que estava numa zona de caça.

Acabou-se o relax num instante. 

Primeira reacção: começar a correr outra vez.

Mas não.

Percebi que estava em zona segura [estrada].

Alonguei. Respirei fundo. E vim embora.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tem estado muito trânsito.

Toda a gente que anda de carro todos os dias, com certeza já se apercebeu disso.

Ah e tal, é sempre assim, quando começam as aulas. Sim, Mas não. Este ano, está muito mais do que o costume. É surreal.

Já tentei sair de casa mais cedo. Não tive sorte em nenhuma delas.

Até cheguei foi mais tarde. Muito trânsito (já disse?). Acidentes. Carros avariados. (No outro dia, contei 8 situações de carros avariados e/ou acidentados). Ou simplesmente, muitos carros a andar, o que faz com que se ande mais devagar.

Ontem, no trânsito, reflecti sobre esta temática. E cheguei à seguinte conclusão: Pois claro, isto está pior, não é só impressão minha. É porque a crise acabou (dizem os entendidos). E agora há mais gente que largou os transportes públicos, e vai de ir de carro para todo o lado.

E isto anda a irritar-me assim um bocado. É muita chatice logo para começar o dia.

Também é verdade, que a rede de transportes públicos, é o que é. Eu, em trabalhando no centro de Lisboa, não vinha de carro de certeza. Mas para apanhar 3 transportes, e demorar umas 3h a chegar ao trabalho, não é opção. Em minha defesa, alego ainda, que nós vimos os três e voltamos os três, pelo que no nosso caso, sai mais barato o carro do que os transportes.

Bom, mas hoje então, foi pior. E porquê? Porque “fui contra” uma mota. De repente, só vejo uma mota a atravessar-se à minha frente e eu a travar com toda a força.

Um treta. Apanhei um camadão de nervos. Sorte a minha, que a miúda já estava entregue na escola.

Não houve chatices maiores. Entendemo-nos calmamente e ninguém se magoou a sério.

Mas é chato. Estou farta destas confusões. É muito carro, senhores (e motas ).

Como é que resolvemos isto?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

É tudo a ajudar hã...

por Ana, em 12.09.17

A pessoa está com dores de garganta, ouvidos e afins.

Mal consegue estar em pé, tal é a moca.

Toma 2 Ilvicos e vai trabalhar.

A moca é mais que muita.

Os olhos pesam, pesam.

E faz a viagem toda de carro a levar com o sol na cara.

Foi muito dificil resistir à tentação "vou fechar os olhos só um pouquinho".

É tudo a ajudar hã...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quem nunca... #05

por Ana, em 04.09.17

quem nunca 5.jpg

… disse “eu nunca faria/permitiria/diria…” e lá caiu?



Autoria e outros dados (tags, etc)

E setembro começa...

por Ana, em 01.09.17

É tão bom começar assim...

 

Primeiro,

A rua da escolinha bloqueada com umas três carrinhas a fazer não sei o quê. Nenhum carro passava. Lá fomos nós dar a volta maior, estacionar longe e ir a pé. Miúda, carregando a sua mochila nova - um trolley da Frozen que eu disse várias vezes que era grande e que tinha que ser ela a carregar, mas quis porque quis trazer. Resultado: acho que se arrependeu logo no primeiro dia (mas não deu parte de fraca).

 

Segundo,

IMG_20170901_083551.jpg

 Acidente na IC19. Trânsito parado assim que lá entrei.

 

Tão bom.

Tinha tantas saudades disto tudo.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quem nunca... #04

por Ana, em 28.08.17

quem nunca 4.jpg

… imaginou que estavam a sair centenas de moscas da boca de alguém, enquanto o ouvia dizer tanta m****?



Autoria e outros dados (tags, etc)

Quem nunca... #03

por Ana, em 21.08.17

quem nunca 3.jpg

… esteve com alguém, contando interiormente todos os segundinhos, para que chegue a hora de sair dali?



Autoria e outros dados (tags, etc)

Quem nunca... #02

por Ana, em 14.08.17

 

quem nunca 2.jpg

 … fala, e logo de seguida pensa: “mas porque é que eu não fiquei caladinha?

Autoria e outros dados (tags, etc)




Comentários recentes

  • Ana

    Obrigado, Anita. Beijinhos

  • Ana

  • Ana

    Sim, felizmente. Obrigado, beijinhos.

  • Ana

    Obrigado,

  • Ana

    Obrigado,