Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Já vivi uma relação abusiva

por Ana, em 02.11.18

Há muito tempo que não escrevo nada na rúbrica "sobre mim".

Ando com este tema em "banho maria" há já algum tempo.

Decidi finalmente falar sobre ele.

 

Em 2004 conheci uma pessoa.

Apaixonei-me.

Ele revelava ter encontrado a mulher que sempre sonhou.

Ele já tinha tido algumas relações falhadas.

Eu sentia-me única e especial.

Era comigo que tudo ia correr bem.

 

Fui integrada na sua família.

Apresentada a todos.

Sentia-me mesmo especial.

Fazíamos planos para o futuro.

Tudo parecia perfeito.

 

Foi apresentado aos meus amigos.

Falei-lhe de alguns amigos.

Ele começou a dar-me algumas "dicas".

Eu percebi que ele se sentia desconfortável com algumas pessoas com quem eu lidava.

Não eram pessoas importantes para mim, por isso afastei-me.

 

Ele não gostava da minha actividade profissional.

A mim, irritava-me a instabilidade da minha actividade profissional.

Havia coisas que eu não gostava.

E ele não gostava que eu me desse com tanta gente.

Não era pessoas importantes para mim, por isso afastei-me.

 

Tinha colegas da faculdade que me ligavam às vezes.

Eu mal falava com eles.

Ele ficava chateado. 

Não era pessoas importantes para mim, por isso mudei o n.º de telemóvel e não lhes dei o n.º novo.

 

Eu tinha amigos que já conhecia há muitos anos.

Pessoas de quem gostava muito.

Ele não gostava deles. Não se sentia a vontade com eles.

Eram pessoas importantes para mim, mas eu afastei-me.

 

Os "conhecidos" e "desconhecidos" que se cruzavam comigo no dia a dia.

Eram fonte de stress e desconfiança.

Saia do trabalho e ia a correr para casa.

E ligava-lhe quando chegava a casa, do telefone fixo.

Ficava ansiosa quando havia atrasos no trânsito. E informava pelo tlm quando a camioneta se atrasava.

 

Deixei de ter tempos livres.

Conversas com outros.

Passava o meu tempo com ele, ou a trabalhar (sem falar com ninguém, não fosse ele descobrir em alguma conversa minha).

Em casa, ficava a espera da hora que ele viesse ter comigo.

 

Deixei de ser uma pessoa interessante.

Não tinha nada para conversar.

Não sabia o que conversar com ele, pois tinha sempre receio das suas interpretações.

Eu só queria que nós tivéssemos bem.

E fazia tudo por isso.

Ouvia-o.

Mas como não tinha nada para dizer, passei a ser acusada de sem interesse, sem ambições, sem vontades.

Eu só queria estar bem com ele.

 

Pensamos em ir viver juntos.

Iniciamos um processo de compra de casa.

Eu pensei que quando passássemos a viver juntos, ele iria ver que eu era transparente, séria, e não haveria motivos para ele desconfiar de mim.

Ele gostava tanto de mim. Era por isso que ele agia assim.

 

Só que não.

E eu sabia que não.

Eu sempre soube que isto não era correcto.

Mas eu não conseguia ir contra isso.

Arranjava sempre desculpas na minha cabeça.

E nunca contei nada a ninguém.

 

Durante 4 anos, sofri numa relação abusiva.

Não houve violência física.

Mas psicológica.

Eu estava arrasada enquanto pessoa.

E caminhava lentamente para o abismo.

 

Surpreendentemente, foi ele que acabou tudo.

Um dia encontrou outra e quis dar um tempo.

O que levou ao fim da relação.

 

Fiquei de rastos.

Ainda "rastejei" mesmo por ele.

Até descobrir que havia a outra.

Aí recuperei todo o meu amor próprio e tomei outra vez rédeas da minha vida.

 

Demorei muito a decidir escrever este post.

Demorei muitos anos a encarar sem vergonha esta estupidez em que estive metida.

 

Hoje tenho uma relação saudável, com o meu marido e pai da minha filha.

Sei bem quais os limites.

E estou tranquila com a minha vida em casal.

Confio.

E sei que é recíproco.

 

Não vou dizer o cliché "aprende-se com os erros".

Porque eu NUNCA deveria ter vivido isto.

 

Se o partilho neste momento, é para que fique claro que ISTO NÃO É NORMAL.

Conhecer alguém, passar a partilhar a vida com a nova pessoa, não implica que essa pessoa mande na nossa vida.

Porque é que eu permiti que isto acontecesse?

Não sei.

Foi aos poucos.

Ao princípio porque até não achava nada de muito mau.

Ás tantas, porque não tinha mais nada na vida a não ser ele e portanto não o queria perder. 

 

Sempre fui uma pessoa "cheia de mim".

Decidida.

Com mau feitio.

Autoritária até.

Por isso, sei que esta realidade toda vai surpreender muita gente.

 

Mas vivia-a.

Durante 4 anos, deixei de ser quem era (e quem sou) e observava esta miúda/mulher com um misto de pena e raiva.

 

As relações abusivas são isto mesmo.

Ás tantas percebemos que não está certo.

Mas já não se sabe como voltar atrás.

Acabar com aquilo.

 

[Se estás em alguma situação destas, sai disso enquanto é tempo.]

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


12 comentários

Imagem de perfil

De Ana a 02.11.2018 às 22:51

Pois foi.

Comentar post





Comentários recentes

  • Ana

    Obrigado, Anita. Beijinhos

  • Ana

  • Ana

    Sim, felizmente. Obrigado, beijinhos.

  • Ana

    Obrigado,

  • Ana

    Obrigado,